Sindicatos mantêm seu compromisso com a futura energia do carvão

produção de carvão

A validade de Estrutura de ação para mineração de carvão e regiões de mineração 2013-2018 termina este ano, contemplando um plano de encerramento ordenado para o setor, além de ajudas compensatórias.

Com vistas à conclusão desta Marca, CCOO, UGT e USO, os 3 principais sindicatos, mostraram suas intenções de continuar estendendo o referido plano, mineração e energia do carvão.

As Comissões de Trabalhadores afirmam que:

"O carvão nacional deve continuar a fazer parte do mix nacional e devemos trabalhar para que tenha um futuro além de 2018."

Claro, os sindicatos eles não estão caminhando para um cenário de descarbonização.

Indústria, Construção e Agro (UGT FICA) considera que o compromisso da União Europeia, dos partidos políticos e dos governos:

“Não deveria acontecer, como alguns pensam, primeiro fechar as minas e depois reindustrializar, mas sim manter as minas e ao mesmo tempo reindustrializar, recuperando assim todo o tecido industrial perdido nas regiões mineiras.”

Essas declarações foram o resultado de arrastar Daniel Navia, Secretário de Estado da Energia, para compromisso de criar um grupo de trabalho para estudar a extensão do Plano de Carvão 2013-2018, para o próximo dia 28 de fevereiro.

Os referidos sindicatos e o Ministério da Energia, Turismo e Agência Digital farão parte deste grupo, no entanto, o CCOO também propõe que em um Carbojunção da segunda fase pode ser incorporada, os empregadores do setor.

Enquanto o Ministério da Energia convence os sindicatos de que vai "tentar modificar" o Real Decreto para o fechamento das usinas, o Federação das Indústrias da União Sindical Obrera, conhecido como FI-USO, pediu a Daniel Navia para aumentar o horizonte temporal da aplicação do plano social até o fechamento definitivo das unidades produtivas que são cobertos pelo Plano de Carvão 2013-2018.

A Federação das Indústrias do Sindicato dos Trabalhadores considera que:

“Devem ser aplicados aos trabalhadores contratados e subcontratados que atendam aos requisitos, uma vez que estão sujeitos às mesmas penalidades que os trabalhadores das matrizes”.

Por outro lado, a reunião da UGT-FICA e do CCOO da Indústria deu para tratar do teor do Real Decreto sobre o encerramento de fábricas que recebeu por sua parte um relatório crítico e sólido do CNMC, a Comissão Nacional de Mercados e Concorrência.

De acordo com a informação obtida junto ao CCOO, Daniel Navia assegurou-lhes que continuará a trabalhar na mesma direcção e claro, “tentará modificar o texto que a CNMC lhe entregou para que receba a sua aprovação.

Mecanismos para continuar a produção

A UGT defendeu que o novo plano fosse mantido:

“Uma produção de carvão indígena e que seu uso seja garantido em usinas termelétricas.”

Enquanto isso, por CCOO:

"O carvão nacional deve continuar a fazer parte do mix nacional e devemos trabalhar para que tenha um futuro além de 2018."

Reino Unido central

Além disso, A UGT solicita que todos os mecanismos possíveis que possam permitir a continuidade da produção sejam reativados y:

“Retomar e promover projetos de captura, sequestro e armazenamento de CO2; e substituir o procedimento de restrições de garantia de abastecimento por outro que garanta a participação suficiente do carvão nacional no mix de geração de energia elétrica que permita a consolidação do setor autóctone do carvão em nosso país ”.

Essa extrema defesa do setor pelos sindicatos Ocorre em um cenário de descarbonização proposto pela UE, acordos internacionais como o Global Alliance to Eliminate Coal e decisões empresariais como as das empresas de eletricidade Endesa e Iberdrola, a favor do encerramento de algumas das suas centrais de produção de eletricidade a carvão.

Enquanto estes 3 sindicatos continuam querendo prolongar o plano de fechamento das usinas e continuar com a produção e consumo de carvão e combustíveis fósseis, a União Europeia e muitos outros países lutam pela descarbonização completa do planeta, apostando nas energias renováveis .

 


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.