As populações de cavalos-marinhos estão diminuindo no Mediterrâneo

Cavalos-marinhos

As atividades do ser humano devido à exploração dos recursos naturais causam danos graves aos habitats de muitas espécies, levando a uma redução no número de indivíduos totais na população e, às vezes, até colocando as espécies em perigo de extinção.

Isso é o que está acontecendo com as populações de cavalos marinhos e peixes agudos no Mar Mediterrâneo. O que está acontecendo com essas espécies?

Populações de cavalos-marinhos em declínio

A União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) alertou para os primeiros sinais de redução das populações de cavalos-marinhos e peixes agulha no Mar Mediterrâneo. O que mais parece indicar que causa essa redução de indivíduos é que se encontra em grave estado de ameaça devido às atividades humanas. A arte da pesca destrutiva causa destruição e degradação dos habitats dessas espécies e leva à redução das populações.

Além disso, eles não são apenas afetados pela degradação de seus habitats, mas porque muitos deles estão presos e capturados por pesca de arrasto. Depois de capturados, não são devolvidos ao mar, mas destinados à venda em aquários, para medicamentos tradicionais e como amuletos curiosos e religiosos.

cavalo marinho

De acordo com a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas, quase 15% das espécies de cavalos-marinhos estão na categoria de "Quase Ameaçadas" no Mediterrâneo. Isso significa que se a espécie continuar com esses tipos de ameaças e redução populacional, logo estará em perigo de extinção.

Informação e proteção de cavalos marinhos

Normalmente, mais da metade dessas espécies são de difícil censo por motivos de acesso e outros, e carecem de informações suficientes para estimar seu risco de desaparecimento. É por isso que é necessário mais pesquisas sobre esta espécie poder conhecer bem a sua área de distribuição, tendências populacionais, possíveis ameaças e sua vulnerabilidade e, desta forma, poder tomar decisões quanto à sua conservação.

Essas duas espécies categorizadas como "Quase Ameaçadas" estão em declínio de entre 20 e 30% nas últimas duas décadas, apesar de serem protegidos pela Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e Flora Selvagens Ameaçadas de Extinção (CITES).

Eles também estão protegidos no Anexo II do Protocolo sobre Áreas Especialmente Protegidas e Diversidade Biológica da Convenção de Barcelona e, além disso, alguns países mediterrâneos, como a Eslovênia, os protegem especificamente em sua legislação.

No entanto, esses regulamentos não são suficientes bem como para lidar com situações de captura acidental ou de danos ao habitat causadas pela pesca de arrasto e dragagem.

 


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.