Espanha perde primeira arbitragem internacional devido a cortes nas energias renováveis

Solar O primeiro golpe para o Reino da Espanha. A sentença do Tribunal Internacional para Resolução de Controvérsias do Banco Mundial (ICSID), resolve em arbitragem que o artigo 10 da Carta da Energia foi violado, privando um fundo vinculado a ABN AMRO (EISER).

Por unanimidade dos três árbitros, e de forma mais do que contundente, os 3 árbitros apontam a ilegalidade da transformação radical do quadro regulamentar. Desta forma, estima parcialmente as reclamações dos demandantes e condena a Espanha a pagar 128 milhões. O que é menos da metade de mais de 300 milhões eles estavam reivindicando.

Mas isso parece que foi apenas o começo seguir a mesma linha do resto dos processos, a conta subiria para centenas de milhões, porque há outras 26 reclamações pendentes pelo corte nos prêmios recebidos pelas energias renováveis. As empresas investiram pesadamente e, quando o Governo alterou as regras e cortou subsídios (primeiro no final de 2010, com o PSOE, e depois, em 2013, com a aprovação da reforma do setor elétrico pelo Governo do PP), as empresas processaram a Espanha.

Segundo fontes legais, esta sentença é executória a partir da data em que é proferida e não admite recurso, sem prejuízo das manobras que visam o Executivo espanhol para dificultar a aplicação.

Na verdade, o Ministério da Energia anunciou nesta sexta-feira em um comunicado que provavelmente entrará com recurso. "O governo estima que o resultado da sentença não pode ser extrapolado ou constituir precedente vinculante ”. “Este prémio”, acrescenta Energía, “declara única e exclusivamente, de referindo-se às três usinas térmicas solares dos autores e tendo em vista as suas circunstâncias particulares, que a reforma causou aos seus proprietários um dano que, na apreciação singular do Tribunal, é considerado excessivo ”.

Cada procedimento é diferente?

Segundo o governo, cada procedimento do ICSID é diferente (arbitragem), nas informações e nos argumentos fornecidos. Nesse sentido, lembre-se que até agora houve produziu uma retirada em uma arbitragem e, nas duas arbitragens no campo das energias renováveis ​​expressamente resolvidas, “as sentenças provaram o direito do Reino de Espanha maneira direta".

De acordo com o Ministério, o tribunal não questiona o direito soberano da Espanha de tomar as medidas regulatórias adequadas para resolver o necessidades públicas, que potencialmente inclui a modificação feita. Ou seja, na sua opinião, “não põe em causa a reforma eléctrica levada a cabo pelo Governo em 2013 e 2014 que permitiu acabar com o défice tarifário”. Nesse sentido, afirma que “o réu enfrentou um legítimo problema de política pública com seu déficit tarifário, e o tribunal não questiona se foi apropriado que as autoridades espanholas adotassem medidas razoáveis para lidar com a situação ”.

Em janeiro de 2016, o Tribunal Arbitral de Estocolmo já julgou outra ação movida pela Charanne BV e a Construction Investments, duas empresas ligadas à Isolux, por cortes no setor fotovoltaico, embora naquela ocasião era a favor da Espanha. Essa foi a primeira arbitragem internacional a ser resolvida entre aquelas movidas contra a Espanha ao abrigo do Tratado da Carta da Energia.

Na realização dos investimentos, a Eiser foi sócia na Espanha da Elecnor e da empresa de engenharia Aries. Eiser, que teve o conselho de Allen e Overy, tinha 36,95% na Aries Solar Termoeléctrica (Aste), que possui duas usinas termossolares de 50 megawatt (MW) em Alcázar de San Juan (Ciudad Real), além de 33,83% na Dioxipe Solar (Astexol), com outro termossolar de 50 MW em Badajoz.

Energia termossolar

O investimento comprometido nessas três fábricas, de mais de € 935 milhões foram realizados em 2007, mesmo ano em que foi aprovado o Real Decreto 661/2007, cuja aplicação provocou um boom na implantação de energias renováveis em nosso país.

ELEC

Com cerca de 60 anos de crescimento contínuo e presença em mais de 50 países, a Elecnor tornou-se um dos mais destacados grupos empresariais espanhóis e uma referência nos setores de infraestruturas, energias renováveis ​​e novas tecnologias.

La diversificação de suas atividades tem sido um dos eixos estratégicos ao longo da sua história, o que tem permitido abranger diversos setores que vão da eletricidade, gás, instalações industriais, ferrovias, telecomunicações, água, sistemas de controle, construção, meio ambiente, manutenção de instalações, à engenharia aeroespacial.

Su forte vocação internacional Conduziu a um processo contínuo de expansão que abriu as portas a novos mercados em todo o mundo, sendo os principais a América Central, América do Sul, África e Oriente Médio.

Em suma, um Grupo cuja solvência técnica e financeira lhe permite promover, desenvolver e construir todo o tipo de infraestruturas nos cinco continentes.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.