Energia hidrelétrica na Europa

Europa é a região do mundo com o maior capacidade instalada de geração hidrelétrica, de acordo com o último relatório dos números disponíveis da International Hydropower Association. O relatório afirma que a UE é responsável por cerca de 260 GW do total estimado de 860-950 GW de geração hidrelétrica.

Outras regiões aparecem com destaque no relatório, incluindo a Europa Oriental. Muita atenção tem sido dada a essa região, que está desenvolvendo rapidamente seus recursos hídricos e deve ser o mundo com o maior nível de implantação nos próximos três anos. Na verdade, a China, que lidera o Leste Asiático em desenvolvimento hidrelétrico, supera os Estados Unidos como o país com maior capacidade instalada. A América do Sul também está se desenvolvendo rapidamente. Além disso, a IHA estima que haja 127 a 150 GW de capacidade acumulação bombeada globalmente, e espera-se que o mercado de acumulação bombeada vai aumentar em 60% pelos próximos cinco anos.

Em geral, as grandes hidrelétricas cresceram modestamente em termos percentuais em 2009, segundo o último Relatório REN-21 da situação mundial das energias renováveis. Essa expansão de 3% é notável devido à maturidade e base considerável da energia hidrelétrica. Enquanto as encomendas de equipamentos hidrelétricos caíram em 2009 e 2010 em relação a 2008, as encomendas para 2011 aumentaram para abastecer as expectativas de que a média de encomendas para os anos 2010 excederá a dos anos 2000.

Ainda assim, o relatório REN-21 indica que 31 GW de capacidade hidroeléctrica que foi adicionada em 2009, criou um aumento da capacidade total em todos os sectores de energias renováveis perdendo apenas para a energia eólica. Além disso, nos EUA 40-45 bilhões de dólares foram investidos em grandes hidrelétricas ao longo do ano.

Em mercados desenvolvidos, como a Europa, onde muitas hidrelétricas têm 30 ou 40 anos, a atividade tem se concentrado na renovação de licenças e repotenciação, bem como na adição de geração em barragens existentes, conclui o relatório. Esta tendência é claramente apoiada pela atividade de mercado observada em 2009 e 2010 e, como mostra este relatório, vários mercados estão se tornando pontos de acesso locais.

fonte: ren 21


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

2 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Cristóbal Del cid dito

    Porque se temos outras fontes, elas não são utilizadas e porque os bancos que financiam não pensam nessas alternativas, o Panamá está desenvolvendo projetos onde as florestas são desmatadas e toda a biomassa é jogada fora ou enterrada, ou seja, não tem propósito com tudo esse material que é milhares de toneladas (hoje existem tecnologias que nos permitem aproveitar isso) e ainda temos um Ministério do meio ambiente. Precisamos ter programas de contingências (inundações, incêndios) programas de agricultura (fertilizantes) enfim, acho que só usamos o caminho mais fácil.

  2.   Kleber dito

    O Panamá, por ser um país pequeno em extensão territorial e grande em economia e desenvolvimento com poucas possibilidades de energia hidrelétrica, pode estar em desvantagem nessa matéria em relação aos países vizinhos da América Central, mas acho que eles têm a solução na ponta dos dedos, eles não precisam construir infraestrutura para gerar energia elétrica, com um pouco de imaginação e olhando para o futuro com determinação, poderiam importar energia hidrelétrica barata do Equador pela Colômbia, pois entendo que existe uma ligação entre o Panamá e a Colômbia e entre o Equador e a Colômbia assim usando as redes elétricas colombiano-equatoriano a energia elétrica flui suavemente para o Panamá e assim o Panamá teria a segurança de ter energia elétrica suficiente por muitos anos, imagino que com um pouco de visão positiva, a energia elétrica poderia ser dada a toda a América Central: barato e não poluente ajudando ao planeta e ao desenvolvimento dos países centro-americanos.