As usinas nucleares da Bélgica incomodam alemães e holandeses

Central nuclear

Os verdes não são os únicos a se preocupar com o estado do parque nuclear belga, devido ao polêmico comissionamento de dois reatores, há poucas semanas, e a prorrogação por 10 anos, decidida no final de 2014 pelo Governo, de 2 unidades, a mais antiga, a Objetivo 1 y Doel 2, datado de 1975.

A saga belga, marcada por uma série de incidentes recentes, geralmente minimizados pelas autoridades e pelo operador, Eetiqueta elétrica, também causa dúvidas nos moradores de Bélgica. No início de janeiro, vários partidos da oposição holandesa solicitaram ao Governo que interviesse junto às autoridades belgas após a paralisação, devido a dificuldades técnicas, do Objetivo 1, localizada a poucos quilômetros da fronteira com a Holanda.

Um problema de alternador Provocou, no dia 2 de janeiro, o desligamento automático do reator que havia sido reiniciado há menos de uma semana, após 20 anos e um mês de inatividade. Outro reator, o Objetivo 3, Também foi interrompido em 25 de dezembro de 2015, 4 dias após o início, devido a perda de água em gerador da parte não nuclear do central.

"Não há problema de segurança”, Explicou o Ministro do Interior, enquanto a parte ecológica estava preocupada com a aparente falta de domínio da Electrabel e o ritmo desenfreado que parecia presidir ao lançamento das instalações.

A desconfiança também se instalou em Alemanha, após este incidente que não é o primeiro de seu tipo. Sobre Luxemburgo, o Secretário de Estado do Desenvolvimento Sustentável, também expressou sua preocupação e exigiu esclarecimentos sobre a situação do reator Tihange. Autoridades alemãs já haviam defendido o fechamento desta unidade, localizada a 70 km da cidade de Aix-la-Chapelle, após alguns microfissuras foram descobertos nos tanques de aço de vários reatores belgas.

Milhares de microalvéolos teria sido encontrado desde 2012 em Objetivo 3 y Tihange 2. Os reatores tiveram que parar e os tanques foram submetidos a vários testes de resistência. A operadora finalmente autorizou seu reinício em novembro de 2015. Uma associação antinuclear, que reúne mais de 200.000 membros na Bélgica, no Países Baixo e na Alemanha, você agora está tentando se opor a essa decisão. A oposição ambiental afirma que as fábricas belgas estão entre as menos confiável o mundo.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.