Pamplona vai subsidiar o autoconsumo para moradias habituais

o autoconsumo na Espanha é prejudicado por impostos excessivos

Infelizmente, não é comum encontrar programas de ajuda autoconsumo fotovoltaico em nosso pais. É por isso que a notícia de que a Câmara Municipal de Pamplona vai lançar uma iniciativa para incentivar o autoconsumo entre os habitantes de Pamplona.

A Câmara Municipal da capital de Navarra apresentou o Plano de Ação de Energia. Um projeto com um orçamento de 926.250 euros que visa criar uma cidade com um modelo mais sustentável e eficiente, e reduzir a dependência energética da cidade.

Plano de Ação de Energia

O objetivo deste programa é incentivar a produção de energias renováveis ​​em todos os tipos de edifícios, tanto privados como públicos. Combate a pobreza energética e reduza a energia demanda de energia, para tentar promover a economia de energia e a eficiência energética.

autoconsumo

autoconsumo

Deste plano podemos destacar o seu objetivo de aumentar as instalações fotovoltaicas em habitações domésticas e privadas, apresentando assim subsídios ao autoconsumo para residências particulares.

O Plano de Ação de Energia de Pamplona tem 22 ações, o plano propriamente dito terá um investimento de € 926.250, e será executado durante o próximo ano.

autoconsumo de eletricidade doméstica

5 destas 22 medidas visam a promoção do autoconsumo em habitações privadas, de forma a disponibilizar facilidades e um acesso mais direto à instalação de painéis fotovoltaicos, a fim de gerar eletricidade a partir da radiação solar.

energia solar

O objetivo dessas 5 medidas é reduzir o demanda de energia de Pamplona em edifícios privados. Mas, o que se promove é o autoconsumo fotovoltaico e a economia de energia nas residências, não estando contemplada a opção de venda do excedente à rede.

Células solares

Pára motivar que os cidadãos invistam em uma instalação fotovoltaica para autoconsumo, a prefeitura vai apresentar uma linha de ajuda às pessoas físicas.

Eles ainda não sabem a carta inteira pequeno do projeto, mas está previsto que até 50% da instalação poderia ser subsidiada.

Além disso, 7 das 22 medidas são orientado para aumentar energias renováveis ​​e autoconsumo em Pamplona em edifícios municipais, contemplando a ideia de autoconsumo partilhado em edifícios oficiais.

Outra ação é melhorar o modelo energético e diminua sua demanda educação energética da cidade, para que a educação energética seja promovida em seus cidadãos.

Para isso, serão realizadas diversas conferências em prédios municipais, escolas, institutos e na universidade. Além disso, vários workshops são realizados para ajudar diminuir a conta de luz, promovendo a poupança e aumentando a consciência sobre os problemas ambientais atuais e futuros.

Pamplona não é a única

O Cabildo de La Palma vai atribuir 200.000 euros de ajuda ao autoconsumo As pessoas físicas terão que instalar uma pequena usina fotovoltaica em suas residências.

Ao contrário do que acontece na Espanha continental, o auxílio é destinado a pessoas físicas que apostam neste energia renovável com potências iguais ou inferiores a 10 kW de potência.

Na verdade, o objetivo do auxílio é a realização de projetos de produção de energia elétrica através de sistemas de painéis fotovoltaicos para autoconsumo nas residências que, com conexão de rede de distribuição, desejam reduzir o consumo e contribuir para a economia de energia.

O Ministro da Promoção Econômica, Comércio, Energia e Indústria do Cabildo de La Palma, Jordi Pérez Camacho, destaca a grande oportunidade que estes concessões São para todas as famílias que acreditam nas energias renováveis ​​e, desta forma, ajudam a sustentabilidade da ilha.

A União Europeia pressiona para a mudança de paradigma

O Parlamento Europeu está empenhado em promover o autoconsumo de energias renováveis ​​em todos os países da União Europeia, para além de exortar os Estados a “assegurarem que os consumidores têm o direito de tornar-se autoconsumidores de energias renováveis ​​”.

Para isso, todos os consumidores devem ser autorizados "a consumir-se e a comercializar o seu excedente de produção de eletricidade renovável, sem estar sujeito a procedimentos e encargos discriminatórios ou desproporcionais que não refletem custos.

O Congresso aprovou uma emenda que pede para permitir o consumo de energia elétrica proveniente de fontes renováveis ​​de produção própria e que permaneça dentro de seus edifícios "sem estar sujeita a impostos, taxas ou tributos de qualquer espécie". Esta alteração obteve 594 votos a favor, 69 contra e 20 abstenções.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.